Uma carta ao amor.


Querido amor,
você está presente em toda a minha vida, desde de quando eu nasci.
É engraçado como você, possui várias faces. Tem aquele face que é o amor dos pais. O amor dos irmãos. O amor dos amigos o amor da amizade. O amor entre um menino e uma menina. 
Você sempre brinca com nossos corações, quando perdemos um amigo e sentimos a falta do amor daquela amizade, ou quando perdemos o suposto "amor da nossa vida" e sentimos falta na presença daquela pessoa na nossa vida.
Não sei porque, mas quando as pessoas lembram de você, sempre te associam a um amor entre menino e menina. Mas quando penso em amor penso em todas as relações afetivas existentes porque você está presente em todas elas. 
Sabe, é bem mais fácil sentir o amor entre família, porque assim você não machuca, apenas ensina e protege. O amor entre amigos é umas das suas faces mais lindas assim como o amor em família. É quando você quer proteger, quer ensinar, quer o bem do outro, quando você nos faz sorrir, e as vezes nos faz chorar, aquele amor inocente.
O amor entre menino e menina é bem mais difícil. Quando você quer, você sabe machucar, sabe fazer derramar muitas e muitas lágrimas, mas também faz abrir muitos sorrisos e faz nos sentir muito bem. 
Mas um "defeito" que as pessoas sempre te atribuem é o ciúme. Não acho que o ciúme é culpa sua, você não faz o outro arder em ciúme, o ciúme é uma consequência das atitudes da pessoa, não das suas atitudes. 
A melhor definição para você é a que está na Bíblia: " O amor é paciente, é bondoso; o amor não arde em ciúmes, não se orgulha, não é soberbo, não se porta com indecência, não busca seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal. Não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade; tudo tolera, tudo crê, tudo espera, tudo suporta." 1 Coríntios 13: 4-7
Só quero te agradecer por sempre estar presente em minha vida, 

Nenhum comentário:

Postar um comentário